Comunicação e cidadania no BV-8

IMG_6035
Prof. Dr. Adrián Padilla Fernández – Vicerrector Académico de la Universidad Nacional Experimental Simón Rodríguez (UNESR) / Foto: Vilso Junior Santi
O BV-8 é o marco fronteiriço que marca a passagem cultural, hoje, mais ativa entre Brasil e Venezuela. Do lado de cá fica Pacaraima; do lado de lá Santa Elena do Uiarén. Duzentos quilômetros ao sul, percorrendo a BR-174, fica Boa Vista: a capital de Roraima, o Estado mais setentrional do Brasil, que toma emprestado do Monte verde-azulado (Tepuy, para os Venezuelanos) o seu nome.
Em Boa Vista o grupo de pesquisa Ama[Z]oom – Observatório Cultural da Amazônia e Caribe, no contexto das atividades de cooperação estimuladas pela Rede AmLat de Comunicação, Cidadania, Educação e Integração na América Latina (Rede AmLat), em parceira com a Coordenação do Curso de Comunicação Social – Jornalismo da UFRR, realizou na segunda quinzena de agosto a mesa de debates: Comunicação, Jornalismo e Cidadania na fronteira Brasil – Venezuela.O evento, que aconteceu na quinta-feira (20/08/2015), a partir das 18h30, na Sala 140 do Bloco I do Centro de Comunicação, Letras e Artes Visuais, contou com a participação do Prof. Dr. Adrián Padilla Fernández – Vicerrector Académico de la Universidad Nacional Experimental Simón Rodríguez (UNESR) – e da Profa. Dra. Norah Gamboa Vela – Directora de Cooperación, Educación Continua e Interacción con las Comunidades del Decanato de Educación Avanzada de la Universidad Nacional Experimental Simón Rodríguez (UNESR).O Prof. Adrían, em sua intervenção, tratou do tema: “Jornalismo e cidadania no contexto da realidade política da Venezuela no século XXI”. E a Dra. Norah discutiu “As transformações no jornalismo: do impresso ao multimídia e hipertexto”.

IMG_6029
Dra. Norah Gamboa Vela – Directora de Cooperación, Educación Continua e Interacción con las Comunidades del Decanato de Educación Avanzada de la Universidad Nacional Experimental Simón Rodríguez (UNESR) / Foto: Vilso Junior Santi

 

 

Na oportunidade os pesquisadores venezuelanos também puderam conhecer algumas experiências de ensino, pesquisa e extensão da UFRR, além de discutir (e encaminhar) com a Reitoria da instituição, a minuta de um protocolo de cooperação acadêmica entre UFRR e UNESR.

Deixe uma resposta

Protected by WP Anti Spam