Mais democracia, menos desigualdades: uma carta à elite econômica do Brasil

Diante do cenário brasileiro, o empresário social e presidente emérito do Instituto Ethos, Oded Grajew, escreveu uma carta destinada aos detentores de riquezas do país. Em suas palavras, descreve um Brasil pautado por desigualdades e uma população vítima de um desgoverno. Em um ato por democracia, pede que junto a ele, a elite econômica se sensibilize com a atual situação e mobilize ações em prol de uma sociedade mais justa.

Leia abaixo o texto completo:

* publicado inicialmente pelo jornal Folha de São Paulo (20.04.21)

Carta à elite econômica (do Brasil)

Diminuir as desigualdades e a pobreza é, também, um ato de inteligência

Prezados senhores e senhoras:

Primeiramente, gostaria de relembrar alguns indicadores sociais do nosso país. Apesar de sermos um dos mais ricos e uma das maiores economias do mundo, 52 milhões de brasileiros vivem na pobreza (renda de até R$ 436 mensais) e 13 milhões na extrema pobreza (renda de até R$ 151 mensais).

Mais da metade dos brasileiros de 25 anos ou mais não concluiu a educação básica, e 33,1% não terminaram o ensino fundamental. Cem milhões de brasileiros não têm acesso a sistemas de esgotamento sanitário, e 35%, à água tratada. Quarenta e quatro mil brasileiros são assassinados por ano, a maioria de negros e pobres. O Brasil está em 105º lugar no ranking da mortalidade infantil, o principal indicador da infância.

Somos o sétimo país mais desigual do mundo, superado apenas por algumas nações africanas. As nossas desigualdades são escandalosas. Entre homens e mulheres, entre brancos e negros. Os 5% mais ricos auferem 95% da renda nacional, e 10% possuem 74% das riquezas. Em São Paulo, a cidade mais rica do Brasil, a diferença da idade média ao morrer entre o distrito mais pobre e o distrito mais rico é de 24 anos! Em plena pandemia, o Brasil tem 20 bilionários a mais (revista Forbes), enquanto a fome atinge 9% da população!

Vários de vocês ajudaram a eleger um presidente que, ainda como candidato, proclamava sua admiração pela ditadura militar e fazia apologia à tortura. Assistiram calados aos desmandos dos dois primeiros anos do seu governo, que nos conduziram à maior calamidade sanitária do mundo e de nossa história.

Países de primeiro mundo que vocês tanto admiram chegaram à simples e óbvia conclusão: para qualquer coletivo dar certo, as empresas ou um país, é fundamental ter uma relação harmoniosa entre as pessoas. E o que causa a desarmonia, os conflitos, é a injustiça, a desigualdade. Portanto, é necessário construir uma sociedade com menores desigualdades possíveis. Para isso, governo e sociedade, com apoio de empresários conscientes, elaboraram uma agenda: democracia participativa (mais democracia, menos desigualdades), educação pública de qualidade para todos, sistema tributário progressivo, políticas públicas que, sem exceção, buscam reduzir as desigualdades etc. Foi isso que, por exemplo, aconteceu nos países escandinavos, que eram muito pobres e hoje lideram todas as classificações mundiais, em qualquer área.

Vocês têm enorme poder econômico e, portanto, político. Têm acesso privilegiado aos políticos. Ações filantrópicas que alguns de vocês praticam são muito bem-vindas. Melhoram a vida dos beneficiários. Mas o que transforma um país, pela escala, são as políticas públicas.

Vocês deveriam usar o vosso poder para que sejam implementadas legislações e políticas que reduzam as desigualdades. Por exemplo, poderiam aproveitar a reforma tributária para termos uma renda mínima universal, financiada por um sistema tributário progressivo. No Brasil, pobres pagam proporcionalmente mais impostos que ricos, que vocês!

Diminuir as desigualdades e a pobreza é, também, um ato de inteligência. É uma estupidez não construir um mercado interno muito maior.

Tenho o privilégio de conviver com empresários que têm essa visão. Infelizmente, são uma minoria. Vocês deveriam se juntar a eles.

Vocês, da nossa elite econômica (da qual faço parte), deveriam se sentir constrangidos por nossos indicadores sociais, pelas vergonhosas desigualdades em nosso país. Vossa responsabilidade é proporcional ao vosso poder. Mesmo que tardiamente, é hora de agir para construir um futuro melhor e mais honroso para o nosso país.

Deixe uma resposta

Protected by WP Anti Spam