Correa denuncia tentativa de golpe e decreta estado de exceção no Equador

O presidente do Equador, Rafael Correa, denunciou ontem uma “tentativa de golpe de Estado” e decretou estado de exceção diante da crise iniciada com uma ampla rebelião de policiais. Soldados da Polícia Nacional tomaram pela manhã os principais quartéis e o aeroporto da capital, além do Congresso. A cúpula militar e todos os integrantes do governo, porém, garantiram que permanecerão fiéis a Correa.

A notícia é do jornal O Estado de S. Paulo, 01-10-2010.

Até ontem à noite, os confrontos tinham deixado 1 morto e pelo menos 50 feridos, de acordo com o governo e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). Entre os feridos, a entidade incluiu o próprio Correa e o ministro das Relações Exteriores, Ricardo Patiño. Os policiais teriam se revoltado com uma lei enviada pelo governo ao Congresso, que corta benefícios de funcionários públicos. Correa acusou a oposição de patrocinar a desobediência para derrubar o governo e “reverter a revolução cidadã”.

“Trata-se de uma tentativa de golpe de Estado da oposição e certos grupos nas Forças Armadas e Polícia – basicamente a Sociedade Patriótica”, disse o presidente, em referência ao partido do ex-presidente Lucio Gutiérrez (2003-2005). Exilado em Brasília, o ex-mandatário negou envolvimento no suposto complô.

Sequestro

Correa feriu-se após ir até o principal quartel rebelado, onde foi recebido com bombas de gás lacrimogêneo. “Senhores, se querem matar o presidente, aqui estou. Podem fazê-lo”, afirmou o líder, afrouxando a gravata e arregaçando as mangas da camisa. “Matem, se têm valor.”

Em meio à tensão, Correa, que havia recentemente operado a perna, acabou ferido e levado a um hospital militar. De acordo com integrantes do governo, o líder equatoriano estava sendo mantido à força no hospital. O presidente chegou a dizer que soldados tentavam invadir o quarto em que estava e afirmou que temia por sua vida. “Só saio deste hospital como presidente ou como cadáver”, afirmou Correa, por telefone, em entrevista a uma rádio.

Segundo o próprio presidente, soldados em greve tentaram invadir seu quarto pelo teto do hospital. Horas depois, ele teria recebido uma delegação de policiais em greve para negociar, segundo informações da imprensa equatoriana. Correa, porém, disse no final da tarde à imprensa que não haveria “nenhum diálogo” com os policiais em greve. “Com essas ações, esqueça qualquer acordo ou qualquer diálogo”, afirmou o presidente à TV pública do país.

Invasão

À noite (21h, horário local), dois caminhões do Exército chegaram ao hospital para resgatar o presidente. Eles dispararam contra os policiais, que responderam com bombas de gás lacrimogêneo. As luzes do prédio foram cortadas. Imagens de TV mostraram uma intensa troca de tiros por 20 minutos.

No fim, Correa teria deixado o hospital em um carro com o qual foi levado para o palácio presidencial, onde apareceu na sacada e saudou seus partidários. “Lá estava gente de Lucio Gutierrez, infiltrados, atiçando a violência. Quanta irresponsabilidade”, disse Correa. Até o início da madrugada, autoridades não haviam informado o número de mortos e feridos na operação.

Correa estaria considerando a possibilidade de dissolver o Congresso e convocar eleições antecipadas para o Legislativo e o Executivo, em busca de mais apoio para governar. Prevista na Constituição, a medida é conhecida como “morte cruzada”.

O projeto de reforma do funcionalismo já havia causado atritos entre Correa e sua coalizão no Legislativo. Aliados do governo chegaram a vetar pontos do texto. A grave crise política e a falta de policiamento deram início a uma espiral de violência e saques nas ruas do país. Diante do hospital onde Correa foi internado após ser ferido por policiais rebeldes, milhares de partidários do líder entraram em choque com soldados em greve.

A multidão de simpatizantes de Correa havia sido convocada por Patiño para “resgatar” o presidente. O próprio ministro acabou vítima da violência dos policiais, que o feriram na cabeça quando ele entrava no hospital. Imagens mostravam manchas de sangue na camisa de Patiño.

Violência

A polícia buscou frear à força milhares de pessoas que seguiam na direção do hospital, no norte de Quito. O encontro deu início a uma violenta troca de bombas de gás lacrimogêneo e pedras entre os dois lados. Há também relatos de agressões de policiais rebelados contra jornalistas.

“Aqui não é Honduras. Correa é nosso presidente”, dizia um cartaz empunhado por partidários do governo. Vários políticos aliados a Correa juntaram-se aos partidários que seguiam na direção do hospital. “Os cidadãos estão tratando de ir resgatar o presidente”, disse o vice de Correa, Lenín Moreno. De acordo com ele, o líder equatoriano havia sido “sequestrado” pelos militares e mantido à força no hospital.

Do meio da multidão que se enfrentava com policiais, a ministra de Obras Públicas, María de los Ángeles Duarte, disse que equatorianos “de todos os cantos” marchavam juntos pela “democracia”. “Os policiais estão atirando bombas de gás lacrimogêneo contra ministros, senhoras e crianças”, afirmou.

Além da violência em Quito, há relatos de saques em várias cidades do país. Pelo menos dois bancos, um posto de gasolina e um mercado de Guayaquil – segunda maior cidade do país – teriam sido atacados por saqueadores. Todas as escolas tiveram suas aulas suspensas e, em várias regiões, trabalhadores foram mandados para casa.

O presidente do Banco Central, Diego Borja, teve de sair a público para pedir que equatorianos não retirassem grandes somas, desestabilizando a economia – dolarizada desde 2000 . “O pior que pode ocorrer agora é entrar em pânico, sacar dinheiro e colocar-se em risco, porque vão sair do banco e ser assaltados.”

PARA ENTENDER

Corpo policial não se reporta ao Exército

A Polícia Nacional do Equador não está formalmente submetida às Forças Armadas do país, como em vários países da América Latina. De acordo com a Constituição equatoriana, a força policial fica sob o comando do Ministério de Governo, Polícia e Cultos – uma espécie de “Ministério do Interior”, de natureza civil. Grande parte dos quadros da Polícia Nacional decidiu pela rebelião aberta contra Correa após o governo tentar aprovar um pacote de lei que retirava benefícios da categoria. No entanto, o comando das Forças Armadas do Equador garantia, até ontem à noite, que se manteria ao lado do governo constitucional. Com o estado de exceção, a força policial deverá agora dar lugar às Forças Armadas, que passam a ter todo o poder de polícia.

Fonte: IHU Online

Deixe uma resposta

Protected by WP Anti Spam